IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

Notícias

Universitários visitam Terreiro de Candomblé tombado pelo Ipac

  • Publicação:

O Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac), autarquia vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult-BA), acompanhou na última sexta-feira (05), os estudantes do curso de Direito do Centro Universitário Jorge Amado (Unijorge), em uma visita técnica ao Terreiro de Candomblé Ilê Odô Ogê, mais conhecido como Pilão de Prata, um dos bens tombados pelo instituto.

.
A atividade integra a disciplina Direito Administrativo, ministrada pela professora Katiani Lucia Zape. De acordo com a docente, o objetivo foi promover um diálogo a respeito do procedimento de patrimonialização, dos efeitos legais do tombamento e da importância da preservação do patrimônio cultural. “Além disso, buscamos apresentar, na prática, os assuntos estudados em sala de aula, conscientizando da tarefa de proteger e preservar o patrimônio cultural”, completa Katiani.
A visita foi coordenada pela gerente de Patrimônio Material (Gemat) do Ipac, Roberta Ventura, e contou com a participação da coordenadora de Educação Patrimonial (Cepa) do Instituto, Daiana Sacramento. Na oportunidade, as filhas de santo do Pilão de Prata, Diana e Doralice Conceição Filho, que receberam e guiaram os alunos, contaram um pouco da história do terreiro e fizeram uma descrição breve do culto.

.
Valorização do patrimônio

.
A atividade ocorre sempre na finalização dos conteúdos da disciplina ministrada por Katiani Zape. Desta vez, a escolha de um terreiro de candomblé ocorreu com o intuito de combater a intolerância religiosa e o preconceito, divulgando o patrimônio cultural de matriz africana e estimulando a valorização da cultura baiana.
Em visitas anteriores, as turmas conheceram espaços como o Palacete das Artes, o antigo Hotel Tropical da Bahia (atual Wish Hotel da Bahia) e a Casa n°6 do Largo de Santana, no Rio Vermelho, que hoje abriga a Academia Vila Forma.