IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

Notícias

Pelourinho sediou hoje (19) homenagem aos povos indígenas brasileiros

  • Publicação:

O Solar Ferrão, prédio com mais de 300 anos, construído no coração do Pelourinho, sediou hoje pela manhã um evento educacional e artístico em homenagem aos povos indígenas brasileiros, em função da passagem do Dia do Índio, 19 de abril. Trata-se de projeto cultural da escola estadual de ensino fundamental Severino Vieira, realizado em parceria com a Diretoria de Museus (DIMUS/IPAC) da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). “Hoje reunimos mais de 60 alunos do Severino Vieira e da escola municipal Vivaldo da Costa Lima no Solar Ferrão”, relatou a etnomusicóloga e professora de música, Emília Biancardi.

 

A homenagem contou com introdução sobre o projeto pela produtora cultural, Telma Chase, do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI/SecultBA). “Essas integrações entre jovens de grupos, bairros e colégios diversos é fundamental para troca de conhecimento, formação intelectual e reforço da identidade cultural”, disse ela. Além dos alunos dos colégios estaduais, estiveram presentes jovens da Escola de Percussão Membros da Rocinha, Escola de Percussão Tambores e Cores e da Banda Didá. “São grupos e ONG que atuam no Pelourinho, mesma área onde está também o Solar Ferrão”, completou Telma.

 

CONSCIÊNCIA PARTICIPATIVA – Depois, a professora Emília Biancardi iniciou explicação acerca dos instrumentos tradicionais e apresentou integrantes da Orquestra Museofônica formada com servidores da DIMUS/IPAC. “Estamos propondo diálogo artístico-educacional de culturas indígenas com as culturas afro-brasileiras e, como atividade pedagógica e de formação, buscando desperta a consciência participativa de jovens para um exercício cidadão de amor e respeito mútuo”, finalizou. A fala da professora foi seguida da apresentação de oito alunos do Severino Vieira, com idade entre 11 e 12 anos, com instrumentos indígenas, em parceria com adolescentes dos grupos do Pelourinho, com instrumentos de matriz africana.

 

Pesquisadora reconhecida internacionalmente, compositora, escritora e colecionadora, Biancardi doou para o Estado a sua coleção de 227 instrumentos musicais produzidos por povos tradicionais de diversos países do mundo, como México, Colômbia, Suriname e Cordilheira dos Andes, Espanha, Gana, Senegal, Congo, Madagascar, Níger, Zaire, Etiópia, Arábia Saudita, Tailândia, Bahamas, Japão e Nepal, dentre outros. Além de estados brasileiros como Amazonas, Alagoas, Pernambuco, Espírito Santo, Bahia, Ceará e do Parque Nacional do Xingú. A coleção Emília Biancardi da DIMUS fica em exposição permanente no piso térreo do Solar Ferrão, com visitação gratuita de segunda a sábado, sempre das 13h às 17h. Contatos: (71) 3116-6743.

 

NAÇÃO TICUNA – Como convidada especial, o evento teve a presença de Weena Miguel, integrante da nação Ticuna, do Amazonas. Ela fez explanação sobre o seu povo. “Existem mais de 48 mil Ticunas nas regiões da fronteira do Brasil com o Peru e a Colômbia”, explicou. Em seguida, Weena tocou o instrumento indígena maracá e cantou músicas da sua nação. A coordenadora desse projeto cultural, a professora doutora, Eleonor Correia, estava exultante com os resultados. “Já estamos desenvolvendo essa parceria com os museus da DIMUS fazem três anos e tem sido extremamente produtiva”, lembra ela. Já a diretora do Severino Vieira, Ana Paula Rodrigues, fez questão de comemorar. “Temos 403 alunos na escola e é visível a melhora social e educacional de jovens que participam de atividades como essas”, ressaltou Ana Paula.

 

Weena lembrou que o nome adequado não é ‘índio’. Essa nomenclatura foi inventada pelos europeus quando aportaram nas Américas ao errarem o caminho para a Índia. “É mais adequado sermos indicados por nossas nações, como a Ticuna que eu faço parte”. Ela destacou ainda que reside no Amazonas, é a primeira da sua tribo a se graduar em Nutrição e que se integrou ao evento depois de ter visitado a coleção Emília Biancardi, no Ferrão. O solar é originário do século XVII, está no declive entre Pelourinho e Baixa dos Sapateiros, e é tombado desde 1938 como Patrimônio Nacional pelo IPHAN/MinC. Informações: (71) 3116- 6743. Confira: www.ipac.ba.gov.br/museus. Acesse: https://dimusbahia.wordpress.com. Facebook: Museus da Bahia.

 

Em 19/04/2018

DIMUS – Diretoria de Museus – BA
Jornalista responsável – Yara Vasku (DRT-PR 2904)

Texto/entrevistas: jornalista Geraldo Moniz (DRT-BA 1498)

Contatos: (71) 3117-6445/ 99119-7746/ yaravasku.dimus@gmail.com
dimusbahia.wordpress.com
facebook.com/museusdabahia