IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

Notícias

Parceria entre Ipac e Escola Estadual Rotary favorece elaboração do Inventário Participativo de Itapuã.

  • Publicação:

O Ipac, por meio da Coordenação de Educação Patrimonial (Cepa), estabeleceu parceria com a Escola Estadual Rotary no intuito de elaborar o Inventário Participativo de Itapuã, tradicional bairro da capital baiana. O inventário é um dos principais instrumentos para a identificação de referências culturais, sendo imprescindível aos procedimentos que levam à patrimonialização. Sua versão participativa, lançando mão de métodos colaborativos, vem sendo utilizada como recurso educacional em prol do Patrimônio Cultural em muitos lugares, tanto no Brasil quanto em outras nações.

O projeto, que contou com a participação de quatro turmas do 8º ano do Ensino Fundamental, totalizando 111 alunos, foi inspirado no livro Educação Patrimonial: Inventários Participativos (Manual de Aplicação), publicado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2016, com o objetivo de difundir amplamente a metodologia. “Aproveitamos a oportunidade do convite feito pela professora Clarice Contreiras, que nos solicitou uma ação de Educação Patrimonial, para aplicarmos a metodologia do inventário, constituindo-se como um piloto na Bahia, considerando que ainda não havíamos utilizado esse recurso”, relata Igor Souza, historiador responsável pela proposta.

Para Daiana Sacramento, coordenadora de Educação Patrimonial do Ipac, ações como essa devem servir para aprimorar métodos que possam ser transformados em programas, dando conta de todos os 27 Territórios de Identidade da Bahia, consolidando-se como uma política educacional voltada à preservação e à salvaguarda do nosso Patrimônio Cultural. “Eventualmente realizamos ações de Educação Patrimonial no território baiano, quase sempre solicitados por entidades públicas ou da sociedade civil, mas temos a clareza de que não nos cabe agirmos pontualmente, já que a Bahia é territorialmente grande e culturalmente diversa. Precisamos estabelecer programas que tenham escala e capilaridade, pois vivemos num estado com 417 municípios e 15 milhões de habitantes.”.

De fato o Inventário Participativo é um método, entre incontáveis outros, que dão corpo ao que denominamos Educação Patrimonial, todos sendo passíveis de replicação e reelaboração, conforme as características locais. Em Itapuã os jovens alunos da Escola Rotary foram aproximados de conceitos importantes para a preservação, como os de Patrimônio Cultural, Identidade, Memória, Pertencimento, Território e Direitos Humanos, conhecimentos que auxiliaram nas categorias trabalhadas em sala e em aulas campais. As categorias mencionadas foram: Lugares, Objetos, Celebrações, Formas de Expressão e Saberes; abordando sempre aspectos relacionados ao patrimônio imaterial e material. As atividades tiveram início com as reuniões de preparação, no mês de agosto, e se estenderam até novembro, totalizando oito encontros presenciais, ora na Escola, ora transitando no bairro. Foram visitadas as seguintes referências no território: Busto de Mãe Gilda, Bloco Afro Malê Debalê, Praia de Itapuã, Colônia de Pesca, Lagoa do Abaeté.