IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

Notícias

MAM ganha ações articuladas e colaborativas

  • Publicação:

O projeto fundacional da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi – criadora e primeira diretora do MAM – vai ser resgatado com espaço permanente no MAM

 

No último mês de maio (2021) a Bienal de Veneza concedeu postumamente o Leão de Ouro a Lina, primeira mulher brasileira a conquistar o Prêmio

 

O Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM), unidade do Instituto do Patrimônio (IPAC) da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), está ganhando nos últimos seis meses diversas ações articuladas e colaborativas. A ideia é buscar a colaboração permanente da sua equipe técnica e articulações institucionais municipais, estaduais e federais, como também com coletivos artísticos, galerias de arte e várias associações representativas. “Para dinamizar as ações e trazer uma gestão mais contemporânea de resultados no MAM, descentralizamos alguns setores que dialogam entre si e os colaboradores também tomam decisões contando depois com a análise e a contribuição final da diretoria”, explica o diretor do museu, Pola Ribeiro.

 

O IPAC/SecultBA reúne os principais museus estaduais (www.ipac.ba.gov.br/museus) em Salvador. Na gestão do MAM com articulações, cada instituição procurada pela direção do museu colabora com as suas expertises. “É impossível imaginar uma gestão pública moderna sem visão transversal e articulações municipais, estaduais, nacionais e até internacionais, incluindo comunidades e a sociedade local, utilizando sempre metodologia e processos de monitoramento”, relata Pola Ribeiro.

 

PARCERIAS – O número de parceiras com o MAM cresce cada vez mais. Em apenas seis meses o MAM já recebeu visitas e se articulou com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social e o Instituto Anísio Teixeira (IAT) da Secretaria de Educação. Ainda na estrutura estadual o MAM tem parcerias com a Fundação Luís Eduardo Magalhães (Flem), Fundação Cultural do Estado (Funceb), Fundação Pedro Calmon e Companhia de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Conder).

 

Das universidades baianas, o MAM já dialoga com a Universidade Federal da Bahia, via Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC), com o Departamento de Museologia, a Escola de Belas Artes (EBA) e a Faculdade de Educação (Faced). Além da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e a Universidade Federal do Recôncavo (UFRB). Contatos e diálogos também estão sendo feitos com a galeria baiana Paulo Darzé e o projeto Musas (Museu de Street Art de Salvador). No âmbito nacional o MAM já articula parcerias com a Almeida & Dale Galeria de Arte e o Instituto Bardi/Casa de Vidro, ambos de São Paulo.

 

Os contatos continuam com produtores culturais como Bete Ponte, a Associação dos Moradores da Comunidade de Unhão e artistas visuais baianos, dentre outros. O MAM conta ainda com a parceria da Trevo Produções que há mais de 10 anos detém expertise em ações educativas, gestão e dinamização de espaços culturais. Até as doações de obras de arte para o acervo permanente do MAM estão aumentando com esta nova concepção administrativa e articulada.

 

MAM e LINA BO BARDI – O MAM da Bahia foi criado legalmente em 1959 quando o então governador Juracy Magalhães convidou a arquiteta ítalo-brasileira, Lina Bo Bardi (Roma 1914 — São Paulo 1992), para criar o museu. Em 1960 Lina faz a primeira exposição do museu no Foyer do Teatro Castro Alves ainda semidestruído pelo incêndio ocorrido em julho de 1958. Para especialistas em arquitetura, cultura, arte e história, Lina é um marco para a Bahia e a celular-mater do MAM de Salvador. A partir de 1963 o MAM é instalado por Lina no complexo-arquitetônico do Solar do Unhão, às margens da Baía de Todos os Santos. Em 1943 o complexo foi tombado como Patrimônio Nacional pelo IPHAN.

 

Integrando essa nova gestão do MAM, o curador de arte baiano e doutorando da ECA/USP, Daniel Rangel, vai resgatar como novo curador do MAM a história e o projeto fundacional do museu concebido por Lina. “Ela foi uma artista revolucionária e uma mulher à frente do seu tempo”, diz Rangel. Ele destaca que em maio deste ano (2021), Lina foi homenageada postumamente com a premiação internacional do Leão do Ouro na 17ª Biennale Architettura de Veneza (Itália).

 

“É a primeira mulher brasileira e a primeira no mundo com obra construída a conquistar um Leão de Ouro, além de terceira profissional brasileira a obter o prêmio, depois dos arquitetos Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha”, detalha Rangel. Ele confirma que o MAM terá uma sala permanente dedicada a Lina, assim como, suas ideias estarão presentes em exposições, ações educativas e outras atividades do museu. “Vamos resgatar a sua memória e a sua prática artística no MAM”, ressalta.