IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

    banner-terreiros

Notícias

MAM-BA promove ‘Tributo ao Indígena Brasileiro’ de 19 a 30 de abril em ação inédita

  • Publicação:

O Dia do Índio, comemorado em 19 de abril (quarta-feira), será lembrado até o final do mês com várias atividades promovidas no Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA). Em parceria com Centro Cultural Solar Ferrão, o MAM-BA realiza o ‘Tributo ao Indígena Brasileiro’, “para homenagear a cultura dos primeiros povos que habitaram o território brasileiro”, explica a diretora museu, Ana Liberato.

 

Nos dias 19 e 20 (quarta e quinta-feira), a etnomusicóloga Emília Biancardi ministra a aula pública O som dos esquecidos, na qual será realizada uma oficina de manuseio de instrumentos, dança indígena e apresentação da Orquestra Museofônica com participação de alunos da Escola Estadual Severino Vieira e de moradores da Gamboa, das 14h às 16h, no Casarão do MAM-BA. “Vamos dar uma aula pública para todos que queiram aprender um pouco sobre esta rica cultura. As pessoas vão poder participar e, além de aprender a tocar os instrumentos, vão poder dançar e cantar junto com os museólogos que são integrantes da orquestra”, pontua Emília.

 

Além da palestra, até o dia 30 de abril o público vai poder conferir uma mostra intitulada Máscaras indígenas que tocam’ na Galeria Subsolo do MAM-BA, no qual quatro máscaras adquiridas no Amazonas e recriadas pela etnomusicóloga estarão expostas. Entre alguns objetos está a Máscara Chocalho Amazônico, que é feita em madeira, fibra vegetal, sementes e penas. Geralmente são utilizadas em cerimoniais e representam personagens da mitologia indígena. A visitação poderá ser feita de terça a domingo, das 13h às 18h, gratuitamente.

 

Orquestra Museofônica

 

A Orquestra Museofônica, considerada como um verdadeiro museu cênico, foi criada em 2012 e surgiu a partir da ideia da museóloga Ana Liberato em criar uma orquestra com os colaboradores dos museus sob a direção da Diretoria de Museus (DIMUS/IPAC), objetivando um aprendizado sobre o manuseio e conhecimento de instrumentos musicais, suas possibilidades, musicalidades, histórico, restauração e a possível recriação destes, em princípio, com a ‘Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi’, em cartaz no Centro Cultural Solar Ferrão (Pelourinho).

 

Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi

 

Emília Biancardi é etnomusicóloga, professora, compositora, pesquisadora da música folclórica brasileira e especialista nas manifestações tradicionais da Bahia. Criou em 1962 o ‘Grupo Viva Bahia’ (o primeiro e mais importante grupo parafolclórico do Brasil) e com ele levou para os palcos do mundo a materialização de sua incansável pesquisa sobre o repertório musical tradicional indígena e afrobaiano. Nas viagens pelo mundo acompanhando o grupo, adquiriu instrumentos em países da Europa, África, Américas e do Oriente, e o seu interesse pelos instrumentos fez surgir a ‘Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi’, doada ao Governo do Estado em 13 de junho de 2011, e atualmente exposta no Centro Cultural Solar Ferrão (Rua Gregório de Matos, nº 45, Pelourinho) vinculado a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural – DIMUS/IPAC. A coleção é composta por mais de 1000 instrumentos.

 

História do Dia do Índio

 

A data comemorativa foi criada em 1943 pelo presidente Getúlio Vargas, através do decreto lei número 5.540. Historicamente, a data foi escolhida por que em 1940 foi realizado no México o Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Além de contar com a participação de diversas autoridades governamentais dos países da América, vários líderes indígenas deste continente foram convidados para participarem das reuniões e decisões. Após algumas reuniões e reflexões, diversos líderes indígenas resolveram participar, após entenderem a importância daquele momento histórico. Esta participação ocorreu no dia 19 de abril, que depois foi escolhido, no continente americano, como o Dia do Índio.

 

O MAM-BA oferece visitas monitoradas e performances. Seu acervo tem cerca de 1,2 mil obras de arte modernistas e contemporâneas. Confira as novidades na página do Facebook: ‘Museu de Arte Moderna da Bahia’.

 

SERVIÇO

 

- Aula pública O som dos esquecidos

Onde: Casarão do MAM-BA

Data: 19 e 20 de abril

Horário: Das 14h às 16h

Entrada gratuita

 

- Exposição ‘Máscaras indígenas que tocam

Onde: Galeria Subsolo do MAM-BA

Data: De 19 a 30 de abril

Entrada gratuita

 

Assessoria de Comunicação – MAM-BA, em 18.04.2017

Jornalista responsável Ana Paula Nobre (DRT-BA nº 3638)

Texto-base: estagiário Jones Araújo

(71) 3117-6137, 99305-9268

ascom.mam@gmail.com