IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

Notícias

Ipac realiza restauro de bens móveis da Igreja do Pilar

  • Publicação:

O trabalho dos técnicos restauradores do IPAC é considerado referência na Bahia. Com 51 anos de existência o órgão já participou de muitas restaurações em todo o estado. A sua Diretoria de Projeto Obras e Restauro (DIPRO) vem desenvolvendo muitas atividades. Uma delas é a restauração de tocheiros que são castiçais grandes feitos antigamente para tochas ou velas. Esses tocheiros em especial pertencem à Igreja do Pilar, são feitos em madeira e estavam comprometidos por cupins e ainda estão em fase de restauro no IPAC. “Essa atividade faz parte da restauração dos bens móveis da Igreja do Pilar, originária do século 17 e localizada no bairro do Comércio, em Salvador”, explica o diretor da DIPRO, o arquiteto, Felipe Musse. Os tocheiros fazem parte dos objetos religiosos dos séculos 17, 18 e 19 da Igreja do Pilar administrada pela Irmandade do Santíssimo Sacramento Nossa Senhora do Pilar. Segundo o Coordenador de Restauro de Elementos Artísticos/DIPRO, Takeo Shishido, os serviços nos tocheiros são extremamente delicados, utilizando folhas bem finas com pigmento de prata para serem colocados na superfície das peças feitas de madeira.

Em dezembro de 2015, o IPAC fez uma mostra sobre restauração dos objetos sacros do Pilar na própria igreja. Na época, o então procurador-geral da Irmandade, Roberto Santana, destacou a ação. “Igrejas como a do Pilar fazem parte do chamado turismo religioso, e é muito bom termos o nosso acervo recuperado para mostrar às pessoas”, ressaltou Santana. Na mesma igreja o IPAC já tinha restaurado e entregue à Irmandade do Pilar em 2015, dois confessionários de 300 anos, pequenas mesas e cadeiras, todos em madeira. As peças receberam tratamento especial de restauradores da Coordenação de Restauro (Cores) do IPAC, que conservaram a forma e o máximo possível do material original, que antes estavam infestados por cupins. Já os tocheiros necessitam de mais detalhamentos e dependem da cobertura em prata que é considerada complexa e de alto investimento.