IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

Notícias

Flipelô 2021 é lançada oficialmente no Pelourinho e contará com mais de 100 atividades

  • Publicação:
A Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), que acontece de 17 a 21 de novembro, foi lançada oficialmente nesta terça-feira (9), na Igreja do Rosário dos Pretos, no Largo do Pelourinho. A Flipelô 2021 é uma realização da Fundação Casa de Jorge Amado, SESC e Sole Produções, e conta com apoio e parceria de diversas instituições privadas, do Governo do Estado e da Prefeitura Municipal de Salvador.
Dentre as autoridades que marcaram presenças no evento, estavam o presidente da Fundação Casa de Jorge Amado, Arthur Guimarães Sampaio, o diretor regional do SESC Bahia, José Carlos Boulhosa Baqueiro, e o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira, representando a secretária de Cultura do Estado, Arany Santana.
No encontro, foi apresentada a programação oficial, que contará com mais de 100 atividades, entre lançamentos de livros, oficinas, exposições, música, teatro, atrações infantis, saraus, artesanato, cordel, debates e gastronomia. Com presenças confirmadas estão Itamar Vieira Junior (BA), Heloisa Buarque de Holanda (RJ), Ronaldo Correia de Brito (PE), Beth Ramos (BA), Mabel Veloso (BA), Victor Gama (Angola), Hirandina Joshlia (Moçambique), Sulivá Bispo (BA); além de atrações musicais como a Osba e os cantores Jau, Margareth Menezes e Paulinho Boca de Cantor.
Segundo o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira, a Flipelô é um evento transversal, que movimenta toda agenda cultural na região do Pelourinho. “Os equipamentos culturais do Estado têm o maior período de visitação de todo o ano durante a Flipelô. É um grande privilégio ser parceiro deste evento que já é modelo em todo o Brasil”, afirmou o diretor.
*IPAC na Flipelô*
A Galeria Solar Ferrão, localizada no Centro Cultural Solar Ferrão (equipamento administrado pelo IPAC), recebe duas exposições, entre os dias 18 e 27 de novembro: “Fluxo e refluxo” e “Olhares Plurais”. A partir da experiência dos agudás, descendentes de africanos escravizados que nasceram na Bahia e voltaram à terra dos seus ancestrais, criando bairros brasileiros e levando consigo suas tradições, a exposição “Fluxo e Refluxo”, com 56 fotografias de Pierre Verger, ilustra as influências mútuas das culturas a partir de aspectos como o cotidiano, a arquitetura e o contexto religioso.
Atentos às características humanas, culturais, artísticas e arquitetônicas do Centro Histórico de Salvador, os 13 artistas que participam da mostra coletiva apresentam os seus olhares plurais sobre essa região da cidade. A curadoria de “Olhares Plurais” é de Mário Edson, fotógrafo, artista plástico e gestor do “M.E. Ateliê da Fotografia”, localizado no bairro do Santo Antônio.