IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

    banner-terreiros

Notícias

Festival Caymmi e Feira de Arte reúnem 4 mil pessoas neste fim de semana (8 e 9) no Aclamação e Passeio Público

  • Publicação:

Neste final de semana (8 e 9), dois grandes eventos devem reunir cerca de 4 mil pessoas no Passeio Público e Palácio da Aclamação, localizados próximo ao Campo Grande, em Salvador. Das 11h às 17h, acontece no palácio a feira ‘Pedra Papel Tesouro’ com 40 artistas que comercializam suas obras de arte, incluindo lanches naturais nos jardins e canjas musicais no salão. Já o Passeio Público terá o Festival Caymmi de Música com cerca de 20 atrações. Das 8h às 16h, o Caymmi terá feira e atividades educativo-culturais. Já os shows musicais começam às 16h e vão até às 20h. Música, gastronomia, meditação, yoga, saraus, vitrolagem e oficinas, compõem o Caymmi.

 

Palácio e Passeio Público pertencem ao Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC) e se consolidam como referência para artistas e produtores culturais da capital baiana. O Passeio Público foi reaberto pelo IPAC em 2015 após reforma de estatuária, calçadas, ruas, paisagismo e instalação de câmera de segurança 360°. “Também recuperamos o pórtico de entrada do Passeio e fizemos pintura de todos os muros e paredes, além da retirada de 60 toneladas de lixo e entulho que estavam na encosta do parque com a Rua Gamboa de Cima”, explica o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira.

 

PALÁCIO – R$ 12 MILHÕES – Há dois anos o espaço recebe eventos de arte, cultura, esporte, lazer, além de eventuais atividades da Universidade Livre Teatro Vila Velha. Feiras de livros e arte, mostras ao ar livre e performances, lançamentos de campanhas, ópera, coral, ensaios fotográficos e gravações de vídeo acontecem também no Aclamação e Passeio Público. Praticantes de capoeira, tai chi chuan, yoga, meditação e responsáveis por outros eventos locais, nacionais e internacionais também procuram o IPAC para utilizar o Palácio e o Passeio.

 

“O MinC já aprovou o Projeto de Restauração do Palácio da Aclamação na Lei Rouanet com investimento de R$ 12 milhões; mas, enquanto procuramos patrocínio, não deixamos os espaços públicos fechados para a população que demanda excelentes projetos”, explica o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira. Outra importante iniciativa do IPAC para o local foi a assinatura de convênio com o Núcleo de Ópera (NOP) que faz ensaios e apresentações e mantém um Coral no Aclamação.

 

FESTIVAL INTERNACIONAL – Já em maio, no período de 4 à 7, o Palácio da Aclamação receberá o ‘Festival de Ilustração e Literatura Expandido’, evento internacional com artistas da Espanha, Colômbia, México, Chile, Portugal e Brasil. A ocupação do Passeio/Aclamação integra o Programa de Dinamização de Espaços do IPAC. No Pelourinho o IPAC tem largos, praças, estacionamentos e museus. Na Avenida Contorno, o MAM/Unhão. Na Graça, o Palacete das Artes. No Corredor da Vitória, o Museu de Arte. Todos com programação e frequência de público permanentes. “A JAM no MAM reúne mais de 1.000 pessoas a cada sábado”, completa João Carlos.

 

Segundo o diretor do IPAC, o Passeio foi inaugurado há 207 anos como horto botânico (1810) após a passagem da família real portuguesa em Salvador (1808), formando hoje, juntamente com o palácio, um importante complexo arquitetônico-histórico e urbanístico sob responsabilidade do IPAC. O Aclamação foi palácio-residência dos governadores da Bahia de 1917 a 1967, após ampliação do anterior Palacete dos Moraes originário do século XIX. O palácio também sedia a Diretoria de Museus (Dimus) do IPAC. O Instituto atua no estado que tem 417 municípios, coordenando a política de proteção aos bens culturais, materiais e imateriais, além da política de museus em toda a Bahia.

 

No interior, o IPAC tem os museus Recôncavo (Candeias) e Recolhimento (Santo Amaro), além do Parque Castro Alves (Cabaceiras) e da Casa do IPAC de Residências Artísticas (Cachoeira). O Aclamação recebe campanhas como a Semana de Museus (http://goo.gl/m5nqBU), a Primavera de Museus (http://goo.gl/4qtMUO) e a #MusEuCurto (http://goo.gl/RAfrvM), dentre outras. Conheça os museus do IPAC no sitewww.ipac.ba.gov.br/museus e no vídeo https://goo.gl/HriC4J. Fique informado:www.ipac.ba.gov.br, facebook Ipacba Patrimônio, twitter @ipac_ba e instagram @ipac.patrimonio.

 

DINAMIZAÇÃO:

 

Conheceram o Projeto de Dinamização de Espaços do IPAC no Palácio da Aclamação e no Pelourinho artistas e personalidades: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Daniela Mercury, Maria Gadú, Chico César, Márcio Victor, Beto Jamaica, Compadre Washignton, Regina Casé, Preta Gil, Márcia Castro, Maestro Aldo Brizzi, os estilistas-empresários Paulo Borges e Fausen Haten, dentre outros. Confira algumas declarações:

 

CAETANO VELOSO

  • “Essa parceria com o IPAC é incrível. Um espaço com acervos culturais importantes, como os de Lina Bo Bardi e Walter Smetak (Centro Cultural Solar Ferrão), entre outras coleções aqui perto. O lugar é lindo e fiquei feliz!”
  • “O que estou vendo aqui é um resultado maravilhoso! Isso aqui está lindo e as coisas que Alberto Pitta me disse sobre a Praça das Artes do IPAC são muito boas.”

 

GILBERTO GIL

  • “A Praça das Artes é mais um atrativo para o público e um incentivo para os realizadores. Foi a melhor notícia que podia ter quando soube que o Cortejo ia ocupar essa praça. É um lugar aconchegante, com um formato de concha, encravada no seio do Pelourinho e com um acesso interessante. Certamente, os próximos momentos do Cortejo serão beneficiados por essa passagem pela Praça das Artes.”
  • “O Cortejo Afro tem uma beleza estética muito grande. E agora eles estão ocupando uma praça, convidando a Preta Gil, Chico César e Maria Gadú. Apesar de todo o sacrifício, valem todos os esforços para fazer o ensaio e o Carnaval acontecerem.”

 

DANIELA MERCURY

  • “Aqui estamos cercados de museus maravilhosos, como o Tempostal e o Solar Ferrão do IPAC, com acervo de Lina Bo Bardi e outros grandes representantes da nossa cultura. Ao entrarmos aqui nos lembramos de quem somos”.
  • “Ao trazer os ensaios para a Praça das Artes, no Pelourinho, o projeto do IPAC com o Cortejo Afro traz a própria arte que está nas ruas. É a essência do que somos no meio das ruas. O Cortejo valoriza a cultura e o ser humano acima de qualquer critério”.
  • “O Pelourinho é um lugar muito especial, porque fiz a minha licenciatura em dança aqui no Terreiro de Jesus. Fico lisonjeada em saber que os ingressos se esgotaram para celebrar conosco esta noite. Faço questão de prestigiar pela sinceridade do Cortejo. A minha música tem tudo a ver com o que eles fazem. Todo mundo vira um pouco artista quando entra em contato com o Cortejo, que homenageia este ano Gilberto Gil, o nosso eterno ministro do samba”.

 

MAESTRO ALDO BRIZZI – Núcleo de Ópera da Bahia

  • “Até hoje, a Bahia, que é um estado com uma riqueza cultural fantástica, não tinha uma casa de ópera. Agora, graças a essa parceria com IPAC, que cedeu esse espaço para ensaios e apresentações, poderemos desenvolver um programa sério de várias obras, com um repertório que foge ao óbvio, baseado numa ideia inovadora de valorização da cultura negra.”
  • “A iniciativa do IPAC dá suporte para que a cultura baiana seja fortalecida. É muito importante. É um trabalho de gestão cultural da sociedade, que caminha através de seus governos em parceria com aqueles que têm projetos e iniciativas, como essa de criar um núcleo de ópera na Bahia. O apoio a isso veio através do Governo do Estado. Eu acho fundamental, é uma das formas de continuar caminhando.”

 

JORGE PORTUGAL – Secretário de Cultura do Estado

  • “Movimentar esses espaços é algo fundamental para a nossa gestão, queremos abrir esses pontos culturais à participação popular. A nossa proposta é estender esse projeto para todos os nossos espaços. Afinal de contas, a cultura é do povo, é dele o pertencimento desses espaços.”

 

MARIA GADÚ

  • “Ocupar e resistir, sempre. Acho que a cidade tem que ser aproveitada com vários pontos de arte. As ocupações artísticas conseguem retomar a história do espaço, a energia e a curiosidade das pessoas, que a partir desse estímulo começam a procurar saber a história do lugar”.
  • “Minha relação com Salvador é ótima e longa. Tenho na minha memória os melhores shows da minha vida. Eu já conhecia o cortejo Afro, sempre quis participar, mas nunca tive a oportunidade de vir. Quando soube, eu fiquei superfeliz”.

 

MÁRCIO VICTOR

  • “A iniciativa do IPAC no Pelourinho me traz muita felicidade. Esta equipe é massa, aproveita ideias da melhor forma, traz o povo para os espaços públicos, para os lugares que estavam parados. A Praça das Artes inova com entretenimento, alegria e festa.”

 

REGINA CASÉ

  • “É uma maravilha! Saí andando agora pelo Pelourinho, acabei de ver o grupo ‘Bota Pagodão’ em um dos largos e entrei na Praça das Artes para ver o Cortejo Afro. Foram menos de duas quadras! São coisas novas, fervilhantes, modernas, elegantes e sofisticadas. Isso é importantíssimo, pois mantém a cidade viva”

 

BETO JAMAICA

  • “A Bahia é muito rica e esses espaços têm que ecoar essa voz. Fico muito feliz! Que venham milhares deles para enriquecer a nossa vida cultural.”

 

COMPADRE WASHIGTON

  • “Os espaços públicos são os lugares onde o povo vem e mostra sua arte. É lindo de se ver. Precisamos expandir isso para toda cidade de Salvador.”

 

ELENA LANDINEZ – arqueóloga e pesquisadora colombiana – feira no Palácio Aclamação

  • “Essa iniciativa é belíssima, pois une povo e governo, entregando ao público o que é dele. Minha expectativa é grande, ainda mais por estar pela primeira vez no Palácio que conheci há pouco e achei maravilhoso!”

 

LUCAS MOREIRA – antropólogo/UFBA e artista visual

  • “O palácio tem boa estrutura para exposições e feiras, além de ser excelente para artistas que muitas vezes se restringem às galerias e não expõem seus trabalhos.”

 

TATILTHA ANDRADE – produtora cultural

  • “Este encontro de artistas faz com que nos conheçamos e compartilhemos nossas obras. É de extrema importância! Alguns espaços públicos ficam fechados, portanto, a iniciativa do IPAC é fundamental para que esses locais sejam ativados com visitação às exposições, feiras e eventos!”

 

IANSÃ NEGRÃO – designer

  • “O espaço do Aclamação é maravilhoso, com acesso e segurança. Além do contato com a arte, as pessoas percebem o ambiente. Fico bastante orgulhosa quando vejo esses espaços cheios.”

 

Assessoria de Comunicação – IPAC, em 03.04.2017

Jornalista responsável Geraldo Moniz (DRT-BA nº 1498)

(71) 99110-5099, 99922-1743

Coordenação de Jornalismo e Edição: Marco Cerqueira (DRT-BA nº1851)

(71) 98234-9940, 3117-6490, 3116-6673

ascom.ipac@ipac.ba.gov.br

Facebook: Ipacba Patrimônio – Twitter: @ipac_ba