IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia

Notícias

Datafolha destaca o patrimônio cultural da Bahia em pesquisa

  • Publicação:

Em pesquisa Datafolha, divulgada esta semana, os paulistanos elegeram a Bahia como o melhor estado turístico do Brasil. Os dados revelam que Salvador, Chapada Diamantina e Porto Seguro estão entre os destinos mais procurados pelos visitantes, superando até o Estado do Rio de Janeiro. O Centro Histórico (tombado pelo Iphan e Unesco), que passou por importantes obras de intervenção pelo Instituto Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), é uma das áreas mais desejadas na capital citadas pelos turistas.

 

Somente no Centro Histórico, o IPAC, órgão vinculado à Secretaria de Cultura (Secult-Ba), é responsável pela gestão de cerca de 180 imóveis. Conforme Felipe Musse, da Diretoria de Projetos Obras e Restauro (Dipro/IPAC), além da conservação e manutenção desse patrimônio, o órgão mantém ações que envolvem a cultura imaterial, a exemplos de grandes eventos e shows artístico-culturais. “Há pouco mais de um ano, foram investidos R$ 1,5 milhão na requalificação das praças Tereza Batista, Quincas Berro D´Água e Pedro Archanjo, todas elas localizadas no Pelourinho. Essas obras tiveram um impacto muito grande para atrair mais visitantes aos nossos espaços”, complementou Musse.

 

O diretor IPAC, João Carlos de Oliveira, destaca que o turismo é uma das principais atividades geradoras de emprego do mundo. E como a Bahia possui um rico e diversificado patrimônio material e imaterial, atrai a atenção de visitantes o ano inteiro. “Uma das perspectivas fundamentais para o crescimento do turismo na Bahia está ligada ao seu patrimônio histórico e cultural. Todos nós somos responsáveis pela preservação desse patrimônio e disseminação de sua relevância dentro e fora do país,” afirmou.

 

Para Roberto Pellegrino, da Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural (Dipat/IPAC), dentro de suas competências, o órgão vem trabalhando no reconhecimento dos bens culturais da Bahia, por meio de processos de patrimonialização, o que também inclui a catalogação e orientação das populações sobre cultura e educação patrimonial. “Patrimônio é história. Quando cumprimos o papel de reconhecer, valorizar e preservar esse patrimônio, o Estado atrai mais visitantes. É assim que funcionam as cidades históricas,” disse.

 

As ações do IPAC, cadernos culturais e relatórios podem ser acessados no site www.ipac.ba.gov.br

 
Ana Rosa Ribeiro
Coordenadora de Comunicação do IPAC
71 99389-7542